Parar de fumar: como evitar as temidas recaídas?

Como o cigarro não é uma droga ilícita e pode ser facilmente encontrada em diversos estabelecimentos e é fácil cair na tentação de experimentar-lo, mas parar de fumar é um grande desafio.

Fumar hoje é mais perigoso do que fumar 50 anos atrás porque as indústrias estão constantemente alterando a composição desta droga a fim de torná-la mais viciante.

As mulheres tendem a fumar mais que os homens, visto que o organismo feminino metaboliza a nicotina mais rápido que o organismo masculino.

Quando o fumante decide largar esse vício, se depara com um desafio maior: as crises de abstinência. Os sintomas da abstinência da nicotina variam de pessoa, sendo na grande maioria das vezes, extremamente fortes e a tentação de fumar é grande. Quem quer parar de fumar precisa ter em mente que mesmo que o desejo de fumar seja grande, ela é uma sensação momentânea e em breve irá passar. Além disso, os sintomas da abstinência tendem a sumir em poucos meses. 

Benefícios de parar de fumar

Parar de fumar traz muitos benefícios e em 10 anos as chances de desenvolver câncer de pulmão e ter infartos são similares às de quem nunca foi fumante. Os benefícios para o organismo são incontáveis, porém muitas pessoas desistem logo no início quando surgem as dores de cabeça, tonturas, irritação e dificuldades para dormir por exemplo. A lista de sintomas é grande, mas é possível aprender a lidar com eles e deixar o vício no passado.

Antes de tudo é preciso entender que o fumante é um dependente químico. O principal ativo do cigarro é a nicotina, uma droga psicoativa de efeito rápido (leva apenas 10 segundos para atingir o cérebro). Quando a nicotina é inalada, viaja pela corrente sanguínea até o cérebro, ao chegar a esse órgão do sistema nervoso central a nicotina o estimula a produzir serotonina e dopamina, hormônios esses responsáveis pela sensação de alegria, prazer, bem estar e tranquilidade. 

Com o passar do tempo, o organismo começa a se adaptar a quantidade de nicotina e seus efeitos passam a serem menores que antes, fazendo com que o indivíduo precise fumar cada vez mais para sentir as mesmas sensações de antes e mesmo que tente parar de fumar sozinho o número dos que consegue são pequenos, apenas 3 a 6%, uma vez que a necessidade de ter a droga no corpo é quase impossível de controlar se tornando assim um dependente químico.

Tratamentos

Existem diversos tratamentos para quem deseja parar de fumar, tratamentos estes que vão desde adesivos, sprays bucais e cápsulas. O mais utilizado entre eles é o adesivo, mas existe um problema: ele não tira a nicotina do seu organismo.  O adesivo de nicotina é fácil de usar, mas apenas repõe essa substância no organismo, ou seja, o fumante nunca realmente superar seu vicio, apenas substitui a forma que utiliza essa droga psicoativa. Outro impasse encontrado no uso dos adesivos de nicotina são as possíveis alergias cutâneas.

Sprays também são muito populares entre quem quer largar o vício, já que põe em evidência o sabor real do cigarro, assim o cérebro lentamente para de associar o cigarro a algo bom e prazeroso, passando a perceber que aquilo não traz mais nenhuma sensação agradável. Os sprays são ótimos aliados porque ajudam a evitar que a pessoa fume, mas não auxiliam o fumante a lidar com a pior parte: as crises de abstinências.

Um dos tratamentos que auxiliam a minimizar as crises de abstinências são as cápsulas, especialmente aquelas que contêm magnésio em sua fórmula, uma vez que este mineral de grande importância é capaz de ajudar no tratamento da ansiedade, um sintoma muito comum durante a abstinência da nicotina. 

A melhor forma de ter sucesso e parar de fumar de vez é utilizar tratamentos em spray e cápsulas juntos, pois um complementa o outro. Terapias em grupos ou individuais também são bem vindas já que assim o fumante irá aprender a controlar seus impulsos e desassociar hábitos do dia a dia ao cigarro visto que muitos fumantes têm o hábito de fumar em situações específicas como após beber café ou bebidas alcoólicas, situações estressantes no trabalho ou vida pessoal e até mesmo antes, durante ou após ter relações sexuais.

Como lidar com a vontade de fumar e evitar recaídas?

É importante colocar em evidência quais os malefícios que o cigarro traz e quais benefícios o ex fumante tem tido desde que largou o cigarro. Escreva em um papel o motivo que te levou a parar de fumar e o que melhorou desde então. A primeira semana tende a ser a mais difícil e é onde muitos desistem do tratamento ou simplesmente acabam cedendo à tentação e fumam. 

Após as primeiras seis semanas sem fumar se torna mais fácil lidar com o desejo de acender o cigarro, mas é também onde muitos recaem. Normalmente quem fuma após o período de seis semanas não faz isso não por causa da necessidade de ter a nicotina no organismo, mas sim porque se encontram em situações estressantes que os fazem querer fumar, situações estas chamadas de gatilho. 

Aprender a reconhecer situações gatilho e como lidar com elas é um passo importante para evitar recaídas. Escreva situações que podem te levar a querer fumar e como você pode lidar com esses momentos de uma melhor forma. Planejar antecipadamente é a melhor resposta para esse tipo de situação.  

As situações gatilho mais comuns encontradas por quem quer parar de fumar são:

  • Estar ao redor de outros fumantes;
  • Beber café ou bebidas alcoólicas;
  • Se sentir triste, frustrado, nervoso ou ansioso;
  • Situações que o colocam sob muito estresse;
  • Ganho de peso, visto que uma das formas que encontramos para lidar com a ansiedade é abusar de alimentos extremamente calóricos.
  • Acesso fácil a cigarros ou tabaco.

Quais outras situações fazem você querer fumar?

Resistindo a gatilhos e evitando recaídas

  • Foque em parar de fumar: Não tente atingir outros objetivos enquanto tenta parar de fumar. Por exemplo, não tente perder peso durante o processo uma vez que isso pode dificultar a realização de ambos seus objetivos.
  •  Se recompense: Isso significa celebrar cada hora, dia e semana sem o cigarro. 
  • Tenha apoio frequente: Mantenha contato com aqueles que apoiam seus esforços: amigos próximos, familiares, psicólogo e grupos de apoio. É necessário ter com quem conversar quando surgir possíveis dúvidas ou vontade de fumar.
  • Pense em quais situações você fuma, e a substitua por hábitos saudáveis: Em vez de fumar assim que acordar, medite. Se você fuma após um dia estressante, adquira o hábito de realizar caminhadas ou corridas, por exemplo. Mude sua rotina, encontre novos hobbies. Seja criativo. 
  • Utilize tratamentos para lidar com a ansiedade: tratamentos em cápsulas com magnésio e vitaminas do complexo B atuam desintoxicando o corpo e lidando com a ansiedade, o principal sintoma da abstinência da nicotina. 

Tive uma recaída ao parar de fumar. E agora?

Parar de fumar não é fácil e se uma recaída aconteceu é importante saber voltar ao caminho certo, e existem alguns passos que podem te ajudar a recomeçar. 

  • Tente descobrir onde você recaiu: Qual foi a situação que o incentivou a voltar a fumar? Crie um plano e escreva o que fazer caso essa situação ocorra novamente.
  • Não pense na recaída como um fracasso: Estudos recentes mostraram que antes de parar de fumar de vez, uma pessoa comum tenta deixar esse vicio três vezes antes. Ou seja, a maioria de pessoas só consegue parar de fumar na quarta tentativa.  Não desista do seu objetivo.
  • Se você ficar tentado a fumar, espere: A tentação e o desespero quase incontrolável irão surgir, mas tenha sempre em mente que é uma sensação momentânea. Espere 30, 60 minutos e só então decida se você realmente precisa de um cigarro.

Dicas podem auxiliar a atingir o objetivo, mas é essencial aplicar-las em conjunto com tratamentos com spray, cápsulas e psicoterapia, só assim parar de fumar irá se tornar uma realidade e não um desejo distante.

One thought on “Parar de fumar: como evitar as temidas recaídas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *